Quarta-feira, 1 de Junho de 2005

1 - A ILUMINURA I

    A arte de iluminar (pintar). Miniatura a cores dos antigos manuscritos: «A letra era um verdadeiro primor caligráfico; e a iluminura tarjava os livros e adonairava as iniciais dos capítulos... com magníficas miniaturas», Arnaldo Gama, A Última Dona de S. Nicolau, cap. 3, p. 39.

 

    A iluminura, considerada em Diplomática como sinal e um dos meios de validação e autenticidade dos códices e documentos, é também um dos mais interessantes capítulos da história da Arte, confundindo-se na sua origem com a escrita para vir, finalmente, a identificar-se com a Pintura.

 

    O costume de fazer executar nos códices e manuscritos uma parte decorativa e ilu­minada, partindo, principalmente, das letras iniciais, tal como se praticou na Idade Média, vem já da mais remota antiguidade, admitindo muitos autores que esta prática era já conhecida e usada no Egipto faraónico, onde esta arte teve como principal centro de maior impor­tância e perfeito desenvolvimento a cidade de Alexan­dria.

 

    Dali irradiou esta arte, a convite do imperador Cons­tantino, para Bizâncio, passando desta cidade para a Grécia e Roma o gosto dos livros e manuscritos ornamen­tados com desenhos e pinturas.

 

    Há, porém, alguns autores que afirmam, sem excluir, é certo, a influência da arte bizantina servilmente devota e ligada a certos cânones religiosos que a nova arte medieval do ornato e a minia­tura teve uma origem setentrional, bárbara e monástica, pertencendo à Irlanda a glória de a haver iniciado e pro­pagado.

 

    Nesta ilha a caligrafia no séc. VI estava ainda embrionária e a ornamentação de manuscritos dava apenas os primeiros passos, citando-se como prova desta afir­mação o Book of Kells, principal monumento da arte rude e fantástica, mas acentuadamente característica dos anglo­-saxões.

 

    A fundação dos mosteiros de S. Callo e S. Colom­bano, em França e na Alemanha, em Svizzera, na Itália, contribuem para propagar esta arte no continente euro­peu. A cultura carolíngia e o desenvolvimento que sob o seu notável impulso teve a caligrafia veio depois jun­tar-se à influência bárbara e bizantina, que se reflectiu principalmente no célebre mosteiro do Monte Cassino.

 

    O nome de miniaturista, de miniator, minium, ou seja a aplicação da cor vermelha a certas partes do manus­crito ou do livro, foi totalmente desconhecido na Idade­ Média, período em que o ilustrador dos códices e manus­critos é designado pelo nome de illuminator.

 

    A designação de miniaturista afirmam alguns autores não ser anterior ao último quartel do séc. XVI; todavia, na opinião do professor italiano Cesare Paoli, já em 1247 o cronista Salimbene dizia, a respeito do frade Enrico de Pisa, o seguinte: «sciebat scribere, miniare, quod aliqui illumi­nare dicunt, pro eo quod ex minio literi illuminantur»; em Dante, no Purgatório, XI, 79-84, cita um passo saudando Oderisi Dagublio, que diz: «onor di quell'arte, che aIlu­minare chiamata é in Parisin».

 

    Se é certo ter havido na Antiguidade livros ornamentados com pinturas, como nos provam, além de outros testemunhos, os códices a llíada ambrosiana e o Virgílio do Vaticano, estas pin­turas, servindo de ilustração ao texto, não têm relação técnica alguma com a pintura material da escrita do códice.

 

    A miniatura dos códices como complemento da escrita é uma arte propriamente medieval, que nasce da humilde origem do ornato da letra inicial e do título e percorre depois, até o séc. XVI, um esplêndido e glorioso caminho. Na história da iluminura tem-se considerado duas grandes fases: a primeira, designada por «hierática»; a segunda por «naturalista».

 

    Na primeira fase é manifesta e quase exclusiva a influência da Igreja; o pintor, sobre velino, trabalha para o clero e é ele próprio, ordinariamente, um monge; daí o assunto predilecto das suas iluminuras: cenas bíblicas, passos da paixão de Cristo, episódios da vida dos santos; tudo manifestações, enfim, do misticismo medieval cheio de fé e de crença, mas profundamente ingénuo.

 

    Nesta fase da história da ilu­minura predomina o símbolo; tudo, com efeito, é simbó­lico, desde os objectos pintados até à cor com que se pintam, por exemplo: um peixe representa um cristão baptizado; uma mulher recolhendo num cálice o sangue que sai da ferida do crucificado, a Igreja recebendo o fruto da paixão de Cristo. (Lecoy de La Marche, Les Manuscrils et La Miniature; Pedro A. de Azevedo e António Baião, O Archivo Nacional da Torre do Tombo).

 

Fonte: Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Lisboa, Editorial Enciclopédia, Limitada, volume XIII, pp. 522-525,

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 05:36
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De aquimetem a 9 de Dezembro de 2006 às 19:22
Isto... não tem comentário, é só para quem vê poder admirar e reflectir, envolvido no todo deste Blog. Maravilhoso!!!
De angela a 5 de Abril de 2012 às 13:28
Encontrei seu site hoje estou maravilhada! linkei neste blog hoje, mas vou vir, diariamente, ver suas postagens , obrigada!

Comentar artigo

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos recentes

. 123 - Ex-Líbris de Antóni...

. 122 - MEDICINA MEDIEVAL

. 121 – A Preguiça

. 120 – Basilisco

. 119 – UM NOTÁVEL DESENHO ...

. 118 – Testamento Velho do...

. 117 – Canguru Num Livro d...

. 116 – Banquete Aristocrát...

. 115 - Anfisbena

. 114 – Ex-Líbris de Antóni...

. 113 - A Luxúria

. 112 – Ex-Líbris de Antóni...

. 111 - Grifo

. 110 - Grifo

. 109 – A Ira

.Arquivos

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Temas

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds