Sábado, 1 de Outubro de 2005

5 - A ILUMINURA III

    A este gosto pelo monstruoso e pelo grotesco correspondia, à parte uma ou outra excepção, como na cena da vindima do nosso Apocalipse, o desprezo absoluto pela observação da natu­reza animada e viva, motivo que depois será tomado como principal inspiração na segunda fase da iluminara designada por naturalista.

 

    Nesta primeira fase da ilumi­nura de que temos tratado e em que o artista não procura encantar mas infundir terror, fora da influência do mons­truoso aparecem-nos, como motivos para os seus dese­nhos ornamentais, apenas os pórticos, dentro dos quais são dispostos os cânones dos evangelhos.

 

    Isto se pode também verificar em algumas das iluminuras do códice da Torre do Tombo, em cujas cores o artista empregava apenas o azul, o vermelho, o preto e algumas vezes o amarelo pálido. São estas as cores características das iluminuras deste período, aparecendo também uma cor nova, o verde, que pode ser considerada, da mesma forma, como sinal característico da época.

 

    No séc. XIII a sociedade que sucede à feudal renova-se para se tornar mais polida, de costumes mais delicados e mais inclinada aos divertimentos e cultura do espírito. Opera-se, ao mesmo tempo, na vida literária, um movi­mento renovador que tem como centro principal a cidade de Paris, com o aparecimento de livros profanos e maior afluência de escolares à frequência da sua famosa Uni­versidade.

 

    Este renascimento reflecte-se também nas Belas-Artes e na preparação de novas cores que os ilu­minadores profanos, em concorrência vitoriosa com os miniaturistas religiosos, começam a empregar para orna­mentar as enciclopédias, as crónicas, as canções de gesta, os romances e as fábulas.

 

    A estas novas cores vem juntar­-se o emprego do ouro, tornando as folhas dos códices e manuscritos de tal forma brilhantes e cheias de tão vigoroso relevo, diz Henry Martin, que será difícil veri­ficar se foram os iluminadores dos manuscritos que in­fluenciaram os pintores dos vitrais, ou se foram estes últimos que abriram o caminho aos iluminadores.

 

    São já diferentes os assuntos preferidos pelos novos artistas, inspirando-se não em figuras hieráticas do cristianismo e nas cenas terroristas do Apocalipse, mas em cenas vivas e animadas da vida real, com tarjas surpreendentes que marginam o texto dos códices e manuscritos inspi­radas em variados motivos da flora e da fauna, da arqui­tectura, em quadros onde já se descortinam perspectivas de ridentes e sugestivas paisagens.

 

    Em Portugal a iluminura chegou a atingir, principal­mente nos séc. XV e XVI, grande perfeição e desenvol­vimento, deixando-nos esta arte obras que são uma das maiores riquezas do nosso património artístico.

 

    É, com efeito, rica de pormenores artísticos e abundante a colec­ção dos nossos manuscritos e cimélios iluminados; na impossibilidade de publicar aqui O inventário de todas essas preciosidades, que (…) poderá ver, entre outros, nos trabalhos de Sousa Viterbo, de Braamcamp Freire, de José de Figueiredo e no já citado livro O Archivo da Torre do Tombo, seja-nos lícito citar: na Biblioteca Na­cional, a bela iluminura que o dr. José de Figueiredo considera uma das mais importantes da nossa escola da primeira metade do séc. XVI, as Regras de Santa Clara, o Livro de Horas da rainha D. Leonor, um exemplar do Fuero Juzgo, uma Bíblia hebraica do séc. XIV, o Spe­culum Historiale, de Vicente de Beauvais, em oito volu­mes, as Crónicas de Eusébio, do bispo de Ávila, Afonso de Madrigal, o Livro de Roma Triunfante, do séc. XV.

 

    Na biblioteca da Academia das Ciências de Lisboa, o célebre Missal de Estêvão Gonçalves, o Livro das Armadas, Na Biblioteca da Ajuda, o Cancioneiro, A Fisionomia de Rolando, Allebrant de Florence – Traité de Médicine, códice com interessantes iluminuras e letras capitais com ouro em relevo e figuras alusivas ao assunto de que trata cada capítulo (séc. XVI).

 

    No Museu de Arte Antiga, o famoso livro de Horas que se diz ter pertencido a D. Ma­nuel, além de outras espécies iluminadas que se guardam nas bibliotecas: da Universidade de Coimbra, Évora, Braga, Municipal do Porto e Museu de Castro Guima­rães, de Cascais.

   

Fonte: Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Lisboa, Editorial Enciclopédia, Limitada, volume XIII, pp. 522-525,

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 05:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos recentes

. 123 - Ex-Líbris de Antóni...

. 122 - MEDICINA MEDIEVAL

. 121 – A Preguiça

. 120 – Basilisco

. 119 – UM NOTÁVEL DESENHO ...

. 118 – Testamento Velho do...

. 117 – Canguru Num Livro d...

. 116 – Banquete Aristocrát...

. 115 - Anfisbena

. 114 – Ex-Líbris de Antóni...

. 113 - A Luxúria

. 112 – Ex-Líbris de Antóni...

. 111 - Grifo

. 110 - Grifo

. 109 – A Ira

.Arquivos

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Temas

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds