Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2006

9 - A ILUMINURA V

    Pelo que sucintamente acabamos de expor vê-se que a iluminura em Portugal chegou a atingir, principal­mente nos séc. XV e XVI, notável perfeição e desenvol­vimento, deixando-nos esta arte obras que podem riva­lizar com as mais ricas e perfeitas que se guardam em ar­quivos, bibliotecas e museus de outros países.

 

    Sousa Viterbo, em comunicação feita à Academia das Ciências de Lisboa, dá conta da existência, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, de um precioso manuscrito que per­tencera à casa real portuguesa, um rico breviário exe­cutado provavelmente em Roma, sob a direcção do em­baixador português enviado por D. Fernando no ano de 1378. No reinado de D. Afonso V, o célebre monge veneziano Fra Mauro iluminava os mapas para o nosso monarca.

 

    É conhecido o gosto que D. João II tinha pela iluminura, arte que muito se enriqueceu com as con­quistas e descobertas portuguesas e a influência que exerceram sobre a imaginativa dos iluminadores, ofere­cendo-lhe novos e variados motivos para a sua inspiração. No reinado de D. Manuel, a vinda para o reino de artistas como António de Holanda, Olivier de Gand, Cristóvão de Utrecht e outros, contribui para o desenvolvimento que as artes e, entre elas, a iluminura, tiveram durante este período.

 

    Nesta arte predominam sobretudo as in­fluências de duas escolas: a flamenga, que influenciou os iluminadores do reino, e a italiana, que exerceu pro­priamente a sua influência sobre os que viajavam.

 

    Entre os mais notáveis iluminadores, além dos já mencionados, destacam-se Francisco de Holanda, que executou à pena os livros do convento de Tomar e os do mosteiro de Belém; Bento Contreiras, monge carmelita, que ilumi­nou alguns livros da sua ordem, em Lisboa, no séc. XVI; Frei Simão de S. José, monge paulista; Manuel da Pu­rificação, cónego secular de S. João Evangelista, que iluminou, com suma perfeição, livros de coro e de arma­ria no começo do séc. XVII. (Raczynski, Les Arts en Portugal; Sousa Viterbo, Iluminadores e Calígrafos Portu­gueses; idem, Livraria Real no Reinado de D. Manuel, in Archivo Historico Portuguez).

 

    A datar da invenção, ou mais propria­mente, da vulgarização da Imprensa e aperfeiçoamento dos meios mecânicos para executar a parte escrita do livro e os processos para a sua ilustração, a iluminura começa rapidamente a declinar.

 

Fonte: Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Lisboa, Editorial Enciclopédia, Limitada, volume XIII, pp. 522-525,

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 06:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos recentes

. 123 - Ex-Líbris de Antóni...

. 122 - MEDICINA MEDIEVAL

. 121 – A Preguiça

. 120 – Basilisco

. 119 – UM NOTÁVEL DESENHO ...

. 118 – Testamento Velho do...

. 117 – Canguru Num Livro d...

. 116 – Banquete Aristocrát...

. 115 - Anfisbena

. 114 – Ex-Líbris de Antóni...

. 113 - A Luxúria

. 112 – Ex-Líbris de Antóni...

. 111 - Grifo

. 110 - Grifo

. 109 – A Ira

.Arquivos

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Temas

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds