Sábado, 15 de Julho de 2006

15 - A Bíblia dos Jerónimos IV

Bíblia dos Jerónimos

Bíblia dos Jerónimos, carta de S. Jerónimo ao presbítero Paulino, liv. I, fl. 7.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 15:30
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 1 de Julho de 2006

14 - A Bíblia dos Jerónimos III

    A Bíblia, com os comentários de Nicolau de Lira, dita Bíblia dos Jerónimos, (a que se deve agregar o volume iluminado das Sentenças de Pedro Lombardo, teólogo do séc. XII, que com ela forma uma unidade artística), foi encomendada por Clemente Sernigi para ser entregue a D. Manuel I quando era ainda Duque de Beja e príncipe herdeiro (1494).


    Várias têm sido as hipóteses avançadas quanto à origem da Bíblia. Autores há que consideram a hipótese de se tratar de um presente dos florentinos estantes em Portugal e interessados nos descobrimentos portugueses, ao futuro monarca português. O facto de, porém, figurarem igualmente, as armas da rainha D. Leonor, irmã de D. Manuel e mulher de D. João II, no Mestre das Sentenças, que fez parte da mesma encomenda, parece indiciar antes uma oferta desta princesa, que teve, como o irmão, um culto bem renascentista pelo fausto artístico, como o provam, entre outras realizações, a Madre de Deus e a Vita Christi. Seja como for, a Bíblia dos Jerónimos e o Mestre das Sentenças constituem o primeiro grande marco e o primeiro sintoma da predilecção manuelina pelo belo e o luxo.


    Trata-se de uma obra absolutamente ímpar que tem arrancado expressões de admiração a quantos a folhearam. Do conjunto de sete volumes que é a Bíblia dos Jerónimos, já se considerou que “quanto a livros de iluminuras, possui Portugal um tesouro ao qual nenhum outro se pode comparar. Vi a rica colecção do rei de Wurtemberg, vi os manuscritos iluminados de Viena, Paris, Turim, Milão, Siena, Roma, Nápoles, Monte Cassino e da Cava, mas nada acho que se ponha a par do tesouro de que falo, a Bíblia em sete volumes com comentários de Nicolau de Lira, conhecida por Bíblia dos Jerónimos por ter sido testada por el-rei D. Manuel aos frades Jerónimos em Belém” (Luígi Cibrairo), que “a Bíblia dos Jerónimos [...] constitui um dos mais primorosos manuscritos iluminados do século XV, e é um dos mais valiosos monumentos da notabílissima perfeição a que chegou a caligrafia e a miniatura.” (Esteves Pereira); que Pedro A. Azevedo e de António Baião: “Há nelas [nas páginas da Bíblia dos Jerónimos] miniaturas delicadíssimas, tarjas de uma finura sem igual, figuras de uma correcção admirável, vinhetas e arabescos verdadeiramente engenhosos” (Pedro A. Azevedo e António Baião); ou ainda que se trata da “obra mais sumptuosa de quantas sairam das oficinas florentinas do século XV” (Paolo d´Ancona).


    Embora possa haver transparente exagero nestas palavras, a verdade é que, mesmo com desconto, não deixam de ser reveladoras.


    A Bíblia dos Jerónimos provém da oficina de Attavanti Gabriello di Vante (Vante Attavante ou Attavante degli Attavanti). Quer a Bíblia quer as Sentenças encontravam-se outrora ricamente encadernadas, de acordo com as informações do “Lyuro da recepta das joias e vestidos e cousas outras, asy das que estauam na guarda roupa como no tisouro que ficarão del Rey dom Manoell ...”.


    De tão preciosa, foi a Bíblia dos Jerónimos objecto da cobiça do General Junot, que a levou para França, apenas sendo recuperada por compra que do seu bolso fez o rei Luís XVIII à viúva do marechal napoleónico.


    A 21 de Abril de 1815, quatro dias volvidos sobre a restituição, os monges, congregados em capítulo, ao som da campainha tangida, ouviram o relato da recuperação, lendo-se a comunicação que sobre o assunto enviara ao D. Abade o ministro dos Negócios Estrangeiros, D. Miguel Pereira Forjaz.


    Mal podiam os Jerónimos adivinhar que nem duas décadas volvidas o Mosteiro dos Jerónimos seria extinto com as demais congregações religiosas. E que a Bíblia começaria outra “via-sacra”. Correu ela, então, com as demais preciosidades, entre as quais a Custódia de Belém, novos riscos. Salvou o tesouro do Mosteiro dos Jerónimos Frei Diogo do Espírito Santo (no século Diogo de Faria e Silva), que foi nomeado depositário dos bens do Mosteiro à data da extinção das Ordens e que, com risco para a própria vida, conseguiu depositar no Erário Público, elevada quantidade de bens quando se projectava um ataque ao convento.

 

    Daí, de acordo com documentos existentes na Casa da Moeda, esteve a Bíblia dos Jerónimos na posse do Banco de Lisboa tendo transitado para a Casa da Moeda a 05 de Novembro de 1833. Ano e meio volvido, sem que pessoa alguma lhe tivesse tocado, em 1835 são os sete volumes da Bíblia dos Jerónimos entregues ao Real Archivo da Torre do Tombo, onde se mantém até hoje sendo considerada “a Jóia da Coroa”.


Adaptado de “Tesouros da Torre do Tombo”, Professor Doutor Martim de Albuquerque, INAPA e AN/TT, 1990.

Bíblia dos Jerónimos, explicação de frei Ambrósio às epístolas de S. Jerónimo, liv I, fl 5v  Bíblia dos Jerónimos, explicação de frei Ambrósio às epístolas de S. Jerónimo, liv. I, fl. 5v.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 03:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos recentes

. 123 - Ex-Líbris de Antóni...

. 122 - MEDICINA MEDIEVAL

. 121 – A Preguiça

. 120 – Basilisco

. 119 – UM NOTÁVEL DESENHO ...

. 118 – Testamento Velho do...

. 117 – Canguru Num Livro d...

. 116 – Banquete Aristocrát...

. 115 - Anfisbena

. 114 – Ex-Líbris de Antóni...

. 113 - A Luxúria

. 112 – Ex-Líbris de Antóni...

. 111 - Grifo

. 110 - Grifo

. 109 – A Ira

.Arquivos

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Temas

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds